rss
email
twitter
facebook

quarta-feira, 28 de abril de 2010

O lado triste de mim


Sou uma jovem como tantas outras. No entanto, há mil e umasrazões que me separam dessa "normalidade". Um dia disse (com orgulho) não ao álcool, às drogas, à promiscuidade, às relações passageiras, vazias de amor. Um dia disse não a uma enormidade de coisas que supostamente deveria recusar, mas que são o bilhete de entrada no mundo social. Decidi aproveitar as coisas pequenas da vida. As idas à praia e ao cinema, as idas ao café mais as conversas na esplanada, as sessões de karaoke, as noites em claro a discutir banalidades. Em momentos como este fico perplexa com as consequências dessa decisão. Nunca esperei que isso fosse sinónimo de metade da solidão que estou a sentir agora. Nunca pensei que os bons momentos se dissipassem e que agora me visse trancada em casa, à espera de um convite que nunca chega. Não percebo. Juro que não. Como se pode jurar amizade eterna, dizer que se adora alguém com a mesma leviandade com que se diz a mais banal das palavras? Como? E depois vira-se-lhe as costas - ele(a) que se arranje, que eu agora quero é seguir o meu caminho!. É de mim ou hoje em dia tudo perdeu o devido valor? Não consigo perceber o porquê - se é das escolhas que faço, ou das pessoas que o destino põe no meu caminho... A verdade é que hoje me sinto terrivelmente . Abandonada e ao mesmo tempo ridícula por dizer uma coisa destas. É assim tão errado, dizer não??

Devia ter-me apresentado. Sou o lado consciente da Camila, aquele que não se deixa embriagar pelos sonhos. Sou o oposto da sua ingenuidade, a sombra que a assola quando, por algum motivo, para ela o Sol deixa de brilhar.


Carolina

8 comentários:

Yin disse...

Há certos momentos em que nos sentimos sós, em que ninguém está lá para nós. O que perdura são as boas recordações, mas o tempo não volta atrás...

É bom conhecer este novo lado, gostei do texto :)

Erika

Riga/V-1-Boy disse...

bem podia ter sido eu a escrever isto

aquelacoisaminha disse...

Poutz sabe quando vc le uma parada e tem a maior vontade de copiar e colar? Poise deve ser pq tem tão haver com vc . E como esse tipo de coisa pode acontecer? Ser normal nao é normal no mundo de hj em dia.
Pressinto que a camila vai sofrer tanto;

''(...)quando, por algum motivo, para ela o Sol deixa de brilhar.

Filosofia de Vida disse...

Gostei muito de ler.

Eu também já me senti assim, sem ninguém com quem contar, a meu lado para desabafar. E foi por isso que escrevi um poema, relacionado com o que estava a sentir. Mas nenhuma das minhas palavras ficou tão bela como as que disseste.

Às vezes é preciso dizer estas coisas, e pensar nelas, para podermos ser realmente felizes.

Sabor Adocicado* disse...

Yin - obrigada ainda bem que gostaste (:

Riga - ainda bem que eu (ou a Camila, como queiras) n sou a única a sentir isto

aquelacoisaminha - Tens toda a razão. Vai sofrer e n é pouco...

Filosofia de Vida - Tens toda a razão. Eu n sobrevivo sem escrever é assim que arrumo as ideias, que afogo as magoas, que revivo as alegrias. N ha nada que ame mais o que escrever. E digo-te faz-me bem, faz-me mais feliz.E espectacular consultar o meu caderninho de poemas e ao mesmo tempo que leio sentir tudo de novo, imaginar-me lá a viver aquilo como se tivesse sido ontem. Como já me disseram, e bem, escrever e uma forma de catarse (kátharsis").

afepereira disse...

Que grande texto... Para não parecer indesejavel e se me permitem, vejo me um pouco tambem dentro deste texto... Muitas vezes tambem me sinto sozinho, e por haver falta de melhor acabo (em 90% das vezes, se não mais) em seguir em frente sozinho... Tenho um pouco de pena que assim seja, mas comecei a pensar desta forma...

Se não querem vir comigo porque eide EU ficar em casa fechado.. Não é por outras pessoas não quererem vir que vou deixar de conhecer o que gostava..

É verdade que é melhor acompanhado, mas na falta de melhor... lool... desenrasca-se

Abreijos

Sabor Adocicado* disse...

afepereira - admiro a tua força. eu n consigo, na maioria das vezes, sair sozinha e sentir-me bem com isso. Porque quando estou sozinha penso (de)mais nas coisas...

smiling sorrow disse...

Na verdade, apenas continuas sozinha, não porque se tenha perdido a intensidade da vida com o avançar do tempo, mas sim porque, até agora, não encontraste quem te respeitasse e aceitasse como realmente és, ninguém que te dissesse "come as I want you to be", referindo-se a "come as you are", mas sim devem ter-te dito "come as you are", referindo-se a "come as I want you to be".

Enviar um comentário